A pandemia da Covid-19 contribuiu para acelerar o consumo de APIs, tanto por empresas de mercados muito impactados, como o varejo físico, quanto por companhias que já tinham em seu planejamento a habilitação de novos negócios digitais, e se viram obrigadas a acelerar esse processo, como as da área da saúde com a telemedicina, por exemplo. Protagonista no mercado de integrações no Brasil, a Sensedia registrou um aumento de 34% no consumo de APIs, por seus clientes, no primeiro semestre deste ano.

Segundo a análise da empresa, os setores que aumentaram o consumo de APIs no período foram: varejo/e-commerce, com um crescimento de 61%; bancos (24%); seguros/saúde (18%)  e pagamentos/fidelidade (17%). Já o setor de serviços foi o mais impactado, e registrou uma queda de 40% no consumo de APIs.

Kleber Bacili, CEO da Sensedia, acredita que este é um caminho sem volta! “O consumidor vem se habituando a resolver suas coisas - de pagamentos bancários a compra de remédios - por meio de uma jornada digital (inclusive os que tinham pouca intimidade com o digital até alguns meses atrás). Os canais e serviços digitais que foram criados nesse período vão permanecer e a tendência, daqui em diante, é um mix de jornadas online e off-line cada vez mais integradas”, explica.
Sensedia mantém crescimento de 55% ao ano e expande atuação internacional

A Sensedia foi a primeira empresa a falar sobre APIs em solo brasileiro e está por trás das estratégias digitais de importantes empresas como Natura, Cielo, SulAmérica, Localiza, Tribanco, Banco Topázio, Netshoes, Panvel, Porto Seguro, entre outros.

Desde que pivotou seus negócios, antes focados em arquitetura SOA, para mirar o mundo das APIs, em 2012, a empresa vem registrando um crescimento orgânico de 55% ao ano. Mesmo em meio a pandemia a companhia vem conseguindo manter o ritmo, tendo crescido na mesma proporção no primeiro quarter deste ano, e prevê um faturamento de R$ 80 milhões no final de 2020.

Marcílio Oliveira, COO da Sensedia, explica que a pandemia ocasionou um congelamento de dois meses, mas a empresa já retomou a taxa de crescimento. “Essa crise, na verdade, teve um efeito colateral positivo para nós. Como nosso foco é a habilitação de negócios digitais, com a pandemia passamos a ocupar posições ainda mais estratégicas em nossos clientes”, constata o executivo.

Marcílio atribui os resultados ao apetite do mercado brasileiro por projetos de digitalização; mas, também, à atuação da empresa em mercados internacionais, iniciada em 2018, com recursos próprios. A empresa tem, hoje, escritórios e clientes na Colômbia, México, Peru, Espanha e Inglaterra, e pretende consolidar e expandir seus negócios no mercado Europeu, mais especificamente em Londres, no Reino Unido.

Reconhecimento internacional
A empresa é reconhecida como visionária, pelo Gartner, e como Strong Performer e Leader pela Forrester, “o que confirma nossa competitividade sob o ponto de vista de tecnologia e soluções, e nos mantém como uma das principais players de API Management do mundo”, ressalta Marcílio.

Pode te interessar

Varejo pós-covid-19: como aproveitar uma combinação de canais físicos e digitais com novos hábitos de compra

Covid19: Novos canais de atendimento conquistam pacientes

Itaú Unibanco destaca canais de atendimento em nova campanha de marketing