Com a pandemia do Covid-19 muitas empresas tiveram que adequar suas atividades e produções às medidas de prevenção ao vírus. A determinação do isolamento social fez com que as instituições adotassem o modelo home office, no qual os funcionários realizam suas atividades de casa. Para muitas empresas, os resultados desse formato se demonstraram positivos, como é o caso da Fundação Pró-Rim, que proporcionou às áreas administrativas, de call center e da instituição de ensino a possibilidade de realizar as atividades em suas casas.

Apesar da maioria da população ter de se adaptar ao “trabalho em casa” nestes últimos meses, muitas empresas e profissionais autônomos desenvolvem suas atividades nesse formato há algum tempo. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), referentes a 2018, cerca de 3,8 milhões de pessoas já trabalhavam em home office no País.

Na Fundação Pró-Rim, instituição filantrópica da área da saúde que realiza o tratamento renal crônico de mais de 800 pacientes, as áreas administrativas adotaram o modelo remoto com esquema de revezamento presencial entre os funcionários de cada setor. No call center, onde o formato já era adotado por parte do quadro de funcionários, 100% dos operadores de telemarketing, que realizavam suas atividades presencialmente na empresa, foram liberados para de casa efetuarem suas chamadas. A área de ensino da instituição foi afetada com a suspensão das aulas, sendo que os professores tiveram que adotar o ensino a distância, assim evitando o atraso no cronograma das aulas.

“A experiência foi muito positiva, os resultados foram entregues conforme prevíamos e o engajamento dos colaboradores com os valores da empresa ficou ainda mais evidente. A escolha pelo home office foi acordada pelos funcionários e a Pró-Rim, além de preservar a saúde deles e de suas famílias, tivemos redução do custo operacional sem afetar no rendimento, no número de afastamentos e de acidentes de trabalho. A comunicação, transparência e comprometimento entre os colaboradores e a instituição foi fundamental para estes resultados”, explica Maycon Truppel Machado, diretor de Recursos Humanos e Jurídico da Pró-Rim.

Uma pesquisa realizada entre a Fundação Instituto de Administração – FIA, a Cia de Talentos e a Xtrategie, abordou a Gestão de Pessoas na Crise da Covid-19, trazendo dados sobre as ações de 48 empresas de todo o Brasil, nos mais variados segmentos. A parcial da pesquisa apontou que a maioria das empresas e pessoas mostraram grande adaptabilidade na adoção do home office. Para as empresas que adotaram o formato de trabalho remoto, 50% tiveram suas expectativas atendidas e para 39% a experiência teria superado a perspectiva das instituições.

“O uso da tecnologia através de reuniões telepresenciais por aplicativos e grupos de whatsapp permitiram que a comunicação entre empresa e colaboradores fosse constante no alinhamento das metas e entregas”, complementa o diretor de RH.

Experiência premiada
A modalidade home office é adotada pela instituição na área do Call Center desde 2016, com o objetivo de flexibilizar o ambiente de trabalho, resgatar funcionários que saíram por motivos particulares e ainda, otimizar custos internos. Este formato de trabalho remoto adotado pela Pró-Rim recebeu o Prêmio Ser Humano 2018, da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH) – Seccional SC, em decorrência do sucesso nos resultados e a eficácia na adequação do modelo.

O Gestor do Call Center, Gerson Persike explica que esse modelo oferece benefícios tanto para a empresa quanto para o profissional. “O projeto demonstrou ser sustentável, com uma melhor qualidade de vida para o operador de telemarketing, assim como no ponto de vista econômico devido a redução de custos operacionais”, conclui Persike.

Além da queda nos custos presenciais dos funcionários, a produtividade e os resultados do setor tem sido positivos, mesmo diante de toda a mudança sofrida pela equipe com o ambiente de trabalho. “Essa melhoria na produtividade é um reflexo da melhoria na vida do profissional. Isso porque ele esta em sua casa, perto de seus filhos, sem ser afetado pelo trânsito, sem o estresse de pegar um ônibus lotado. São pequenas coisas que somam nesse resultado”, comenta o gestor.

A operadora de telemarketing Luciangela da Silva Chaves Costa, que trabalha há 2 anos na instituição e mora em Guarulhos (SP), conta as vantagens da atividades home office: “Posso ficar em casa e viver mais a rotina dos meus filhos, não preciso me deslocar com condução e evito esse estresse do trânsito. É um trabalho que exige organização e comprometimento, porque mesmo estando em casa, eu tenho que entregar os mesmos resultados dos operadores presenciais”.

Prática aplicável
Atualmente, a maioria dos colaboradores da Pró-Rim ainda estão executando suas atividades em home office. A experiência positiva resultou numa nova remodelagem da área do call center, da equipe presencial, cerca de 80% dos operadores deverão migrar definitivamente para o home office.

“Podemos dizer que é uma via de mão dupla, você oportuniza a melhoria de qualidade de vida do empregado e em troca recebe a produtividade. O coronavírus é um cenário que veio agilizar a adoção dos processos de trabalho remoto em todas os setores”, comenta o diretor de RH da instituição. Após a pandemia, a intenção é manter o projeto de trabalho remoto para os colaboradores da empresa, visto a experiência assertiva do momento.

Pode te interessar

O uso ético da Inteligência Artificial por empresas que produzem tecnologias

Rumo a um Contact Center cada vez mais cognitivo

O "novo normal" e a conexão com o cliente